top of page

Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes (2023)

Francis Lawrence desafia a “maldição” dos filmes derivados com um prequel autossuficiente que encanta, diverte e emociona



Não é recente que a indústria cinematográfica, especialmente a hollywoodiana, não costuma encerrar filmografias em um único filme quando este atinge sucesso. Esse fenômeno é ainda mais evidente quando se trata da adaptação de uma obra literária tão amplamente reconhecida quanto Jogos Vorazes. Diante desse cenário, torna-se comum observar que, em várias instâncias, os prequels e sequels acabam por se transformar em simples subprodutos do material original, muitas vezes caracterizadas por uma atmosfera árida e genérica, tal qual os filmes da Marvel. Essa tendência, por vezes inevitável, frequentemente decorre não apenas da complexidade de capturar a essência da obra original, mas também da dificuldade em se sustentar de forma independente, resultando em criações que, embora derivadas, carecem da vitalidade e autenticidade presentes no trabalho inicial.


Tal fenômeno pode ser atribuído a necessidade de agradar aos fãs se prendendo constantemente a elementos do produto original, criando uma obra que nunca se deixa elevar fora das asas de seu antecessor. Muitos desses filmes, ao tentarem reproduzir meticulosamente o enredo e os elementos estilísticos do trabalho original, correm o risco de perder sua identidade própria, relegando-se a uma condição de imitação, tornando aquele constructo narrativo em algo padronizado. No entanto, é notável que, em meio a esse panorama, existem exceções que rompem com essa ideia, como o emblemático Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes. Surpreendentemente, esta obra não apenas escapa da armadilha de ser apenas uma extensão do original, mas também eleva-se a um patamar de destaque, adotando um tom épico e autossuficiente.



Ao abordar a temática de Jogos Vorazes, inevitavelmente, adentramos em um terreno político e social, onde a obra se revela como um veículo de discussão acerca do controle governamental e do totalitarismo. Em sua essência, a narrativa explora a dinâmica opressora da Capital, cuja ostentação e exploração dos distritos representam a face de um governo que mantém seu domínio por meio do medo e da violência. Os Jogos Vorazes emergem como uma ferramenta intrincada, utilizada para demonstrar não apenas a força do governo, mas também para manter a população em um estado contínuo de submissão. Além da abordagem evidente à questão do controle governamental, a franquia não hesita em debater temas cruciais como desigualdade social e exploração. A sociedade delineada nas obras revela-se altamente estratificada, com a Capital desfrutando de luxos inimagináveis, enquanto os distritos padecem em meio à pobreza e escassez. Através dessa dicotomia social, Jogos Vorazes: A cantiga dos pássaros e das serpentes tece uma crítica perspicaz às disparidades econômicas e sociais, desvelando as consequências nefastas de um sistema que privilegia uns poucos em detrimento de muitos. 


É intrigante observar como, apesar da representação cinematográfica tender a suavizar algumas dessas ideias, o diretor Francis Lawrence se destaca ao realizar uma decupagem única da Capital. Sua abordagem imagética não apenas capta a essência vilanesca da elite, mas também serve como um meio visual eficaz para aprofundar a compreensão do espectador sobre a corrupção e crueldade que permeiam a estrutura governamental. Ao atribuir um tom visualmente impactante à Capital, Lawrence não apenas enfatiza a opulência superficial, mas também destaca o lado sombrio e desumano que subjaz à sua fachada reluzente. Dessa maneira, Jogos Vorazes: A cantiga dos pássaros e das serpentes se revela como uma obra “complexa” e multifacetada, que vai além da superfície de um “simples entretenimento” para explorar questões profundas e pertinentes à sociedade contemporânea. Ao entrelaçar temas de controle político, totalitarismo, desigualdade social e exploração, a franquia ressoa como uma reflexão impactante sobre o hermetismo e o desafio inerente à busca por justiça e equidade em um mundo dominado por forças opressoras.



A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes revela-se tão autossuficiente que até mesmo a estrutura narrativa empregada por Lawrence difere substancialmente das anteriores. Aqui, ele adota uma abordagem mais melodramática, focalizando nos personagens, na imagem e no som. O que se destaca nesta obra é a habilidade de Lawrence em utilizar elementos visuais e sonoros para urdir uma narrativa rica e envolvente. A experiência por vezes assume uma natureza experimental e imaginativa, assemelhando-se à leitura de um livro, porém enriquecida com elementos cinematográficos. É através das lentes que testemunhamos a metamorfose de um personagem, observando as nuances de sua transformação de homem a vilão. A câmera acompanha o jovem Snow, proporcionando um vislumbre do desenvolvimento de um homem inicialmente imerso na luta pelo ideal meritocrático, que eventualmente se revela como um dos personagens mais perversos da ficção. A apreciação de Lawrence por seus personagens, especialmente Snow, é notável, pois a câmera se transmuta junto com ele. Inicialmente, ela o observa com um tom quase compassivo; no desfecho, parece mais uma expressão de temor em relação a ele.


O som, por sua vez, transcende sua “função” básica, adquirindo uma conotação mística e lírica, saturada de emoções como rebeldia, raiva e amor. Se Jogos Vorazes é uma história sobre dor, raiva, desespero e injustiça, não há forma mais eficaz de expressar esses sentimentos do que por meio da música, que clama em silêncio, sendo ouvida apenas por aqueles que verdadeiramente desejam escutar. A trilha sonora, cuidadosamente integrada à trama, serve como um componente vital na transmissão dessas emoções, acentuando e amplificando os matizes emocionais presentes na narrativa.  Assim, A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes não apenas se destaca pela renomada franquia à qual pertence, mas também pelo domínio de Lawrence em manipular os elementos em sua mise-en-scène. Esta abordagem, profundamente enriquecedora, não só evita a armadilha do convencionalismo, mas também proporciona ao público uma experiência mais profunda e imersiva. Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes emerge como uma criação singular, capaz de cativar, encantar e emocionar o espectador. Dessa forma, desafia as expectativas preestabelecidas para obras que têm sua origem em um material preexistente.


Filme assistido a convite da Espaço Z e Paris Filmes.


Jogos Vorazes: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes estreia nos cinemas de todo o Brasil nesta quarta-feira dia 15 de novembro.


 

Nota do crítico:


 

Para mais críticas, artigos, listas e outros conteúdos de cinema fique ligado na Cine-Stylo, a coluna de cinema da Singular. Clique na imagem abaixo para ver mais do trabalho do autor:



Komentarai


bottom of page